quinta-feira, 5 de maio de 2011

Alguém disse: .”… oãçaroc o em-oid”

Eu afirmo:
oâN !edop esse é mu oãgró euq oãn iussop oãçagil a mu ametsis osovren euq enoislupmi a rod …. zevlaT ajes od .?xarót
(Este é um simples manifesto em jeito de reinação. Quem o disse, tem noção do que disse e em consciência muito própria -leia-se original- do que quis transmitir)
.

2 comentários:

Ztsche Papoila disse...

Trazendo para aqui palavras facebooquianas, continuo na exigência de querer saber porque dói o mundo, porque no que toca ao coração, é sempre fáci: ou é físico ou não o é. Não concordas? :)

P. Páscoa disse...

Aferindo alguns “contentamentos descontentes”… quase que poderia adiantar, tendo por óbvia consideração o realista (embora poético) posicionamento da minha amiga perante a vida, que “finges” que a dor do mundo “é a dor que deveras sentes”.. (qual poeta fingidor).