sexta-feira, 29 de maio de 2009

Ainda Sobre o CASO ALEXANDRA

Petição Nacional:

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N65

3 comentários:

Crazy Things disse...

Boas P.Moai.
É certo que eu concordo que ela deveria ficar com a família de acolhimento, pois quase de certeza que teria mais "amor paternal" do que os próprios pais biológicos lhe darão.
Porém, sou da opinião de que se está a fazer um alarido demasiado em torno deste caso.
Já se fala em quase "espancamento" por parte da mãe biológica ...
E a família de acolhimento nunca deu à menina umas palmaditas quando ela se portava mal ????

P. Moai disse...

Boas, obrigado pela participação.
A questão no meio disto tudo é que, se a mãe faz isso em frente a uma câmara de televisão, por detrás das câmaras fará concerteza muito pior.
Quanto ás "palmaditas", eu próprio já levei algumas quando era pequeno e nem por isso fiquei com raiva dos meus pais ou traumatizado. Mas sei que qd as recebia era por uma razão plausivel e sempre seguida de uma conversa com a respectiva justificação para tal acto.
Aqui verifica-se perfeitamente que não havia razão para a mãe fazer aquilo que fez ... o que originou o castigo foi a criança ter dito que queria ir ter com a irmã Valéria ... ... aquele empurrão demonstrou claramente que aquela "mãe" não tem a menor capacidade de lidar com crianças.

Embora muitas vezes as pessoas se esqueçam, em Portugal, este tipo de punições, sejam elas físicas ou psiquicas, são consideradas um crime punivel até 5 anos de prisão!

Código penal, lei 59/2007 de 4 de setembro, artigo 152°-A:
"(...) Lhe infligir, de modo reiterado ou não, maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais,
privações da liberdade e ofensas sexuais, ou a tratar cruelmente; (...) é punido com pena de prisão de um a cinco anos (...)".
No caso da pequena Alexandra existe (com provas dadas) maus tratos fisicos, maus tratos psiquicos, castigos corporais e evidentemente privação de liberdade (estou convencido que aquele "mundo" para onde a levaram para ela não passa de uma prisão ... não conhece a lingua, apenas pode comunicar com a mãe, não tem amigos ... não em ninguém!
Espero, muito sinceramente, estar errado nesta questão!

Intruso disse...

enfim, tudo isto é muito triste.